Seguidores

terça-feira, 27 de maio de 2008

Tacocracia?


Tenho muitas coisas a serem realizadas, a serem gozadas e a serem esquecidas.

Tenho muitas coisas a serem sentidas, a serem choradas e a serem aprendidas.

Na maioria da vezes as coisas negativas da vida nos fazem mais maduros.

As coisas positivas pouco impactuam nesse processo e a nossa memória é prova disso.

A lembrança do sofrimento ainda é sofrimento, a lembrança da alegria já não é alegria.

Nossas lembranças são inevitáveis e deviam nos deixar o medo da repetição, o pavor da sensação ruim. Contudo, de novo resistimos.

sexta-feira, 23 de maio de 2008

terça-feira, 20 de maio de 2008

Será a mesma lagarta após tanto sono?


A metamorfose ocorre.

De imediato não percebemos o motivo, só percebemos que a nossa relação com o mundo vai mudando sutilmente.

Em vão tememos a nós mesmos, a quem seremos e como nos portaremos mediante aos acontecimentos mundanos.

Inevitavelmente aceitamos o amor perdido, o fracasso adquirido, a traição e outros demais sofrimentos.

E assim nos encontramos com medo, perdidos no fundo do futuro sem vivermos as extremidades do nosso presente.

No final, há que se perguntar tardiamente se ainda nos reconhecemos sob nossas asas brilhantes.

quinta-feira, 15 de maio de 2008

Estático


Eu não tenho temas, nem idéias, nem considerações a destacar.

Uma vez lí um texto num blog de um amigo que falava justamente sobre a falta de vontade de escrever.

Estou assim, sem vontade de escrever, sem vontade de acompanhar os meus dez blogs favoritos.

Está tudo fora de controle e minha cabeça, totalmente vazia. Ou talvez ela esteja tão cheia de informações desconexas, que nenhuma idéia permanece estática para poder ser mediada num texto.

Coisas de maluco, eu sei.

Agora o que me resta fazer é simplesmente forçar textos que ficarão ridículos, na esperança que meu fluxo de pensamentos seja compreendido por alguém.


Caso contrário, fecharei esse canal de transmissão e fim.










sexta-feira, 9 de maio de 2008

Vincent Fantauzzo


A última imagem de Ledger foi feita pouco antes da morte do astro de "Brokeback Mountain".
Um retrato de Heath Ledger, pintado pouco antes da morte do ator, foi eleito ontem a obra de arte mais popular da Áustrália.

O quadro foi finalista do Archibald e venceu o prêmio do público.

O artista era amigo de Ledger e realizou o retrato no ano passado, na cidade natal de Ledger, Perth.

A obra mostra Ledger sem camisa, sobre um fundo negro, olhando diretamente para frente, enquanto duas outras imagens do ator falam ao seu ouvido."A idéia era mostrar Heath Ledger lidando com sua consciência, seus próprios pensamentos", disse Fantauzzo.

O astro do filme "O Segredo de Brokeback Mountain", de Ang Lee, morreu de overdose de medicamentos em 22 de janeiro deste ano, em Nova York.

terça-feira, 6 de maio de 2008

Síndrome de Jonas

As coisas andam muito tranquilas ultimamente e por isso parei de escrever.


Não consigo escrever quando as coisas estão bem, fico sem inspiração.


É dicotômico mas eu sou assim, meio confusa.


Nenhuma ligação de pessoas do passado, ótimo momento no trabalho, coisas fluindo maravilhosamente...


Tudo anda tão bem que já começo a desconfiar de tanta tranquilidade.

Estranho como a tranquilidade pode pesar e nos deixar incomodados.

É pesado demais sentir isso por muito tempo pois acabamos sendo injustos, olhamos para o lado e sentimos que o mundo nunca estará na mesma sintonia.



É como se não merecessemos sentir a leveza de viver por muito tempo, ela precisa simplesmente passar em flashes.

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Insônia


Corpo inerte na cama implorando por sonhos.
Pedindo aos olhos que se fechem e se cruzem com ilusões que meu consciente não aprovaria.

Mas meus pensamentos ficam no passado, coisas que me arrependo de ter feito.

Minhas culpas alimentam meus olhos abertos.

Tudo do passado tão presente e tão possível futuro.

E minha noite de sonhos não acontecerá.

Amanhã será um outro dia e meu corpo não estará preparado devidamente.

Eu só queria acordar bem de manhã.

Dormir traquila como quando era criança.